Entrar

Compilado 01 - Descobrindo a agricultura

Compartilhe

Você sabe como surgiu a agricultura?

Essa história é antiga... começou há mais de 6.500 anos a.C.

No Período Paleolítico

No Período Paleolítico os homens eram nômades, e precisavam se deslocar em busca de comida, que era obtida por meio da caça, da pesca e do extrativismo.

No período seguinte, o Neolítico, ou Idade da Pedra, o homem caçador-coletor descobriu que era possível cultivar, e passou a se relacionar de maneira diferente com o ambiente à sua volta. Com as novas habilidades desenvolvidas, ele aprendeu a tirar parte de seu sustento da terra.

Graças ao desenvolvimento da agricultura e à domesticação dos animais foi possível produzir alimentos localmente, constituir moradias fixas e formar as primeiras sociedades. 

Conheça a origem de alguns produtos

 

 

 

Clique na imagem para ampliar!

 

 

Matriz

 

O desenvolvimento da agricultura, portanto, favoreceu

O desenvolvimento da agricultura, portanto, favoreceu o surgimento das primeiras civilizações. Na Ásia Ocidental, muitas delas nasceram na região da Mesopotâmia, entre os rios Tigre e Eufrates, e no Continente Africano, às margens do rio Nilo, no Egito.

Os povos antigos concluíram que as plantações nas margens dos rios produziam mais que nas áreas secas. Perceberam também que não apenas a água, mas os sedimentos deixados pelo transbordamento, nas cheias dos rios, favoreciam o crescimento das plantas. Isso fez com que a ocupação dessas áreas fosse estimulada, e conseguiram ampliar a oferta de alimentos.

O homem, dotado de inteligência, observou também que poderia desenvolver mecanismos para imitar a natureza. Assim, teve início a procura por meios que permitissem conduzir a água aos campos mais afastados. Com o uso de técnicas rudimentares, tangenciando várias áreas do conhecimento, surgiram os canais feitos de bambu, barro cozido ou pedras; as comportas; os túneis; os aquedutos e terraços, entre muitos outros mecanismos ainda primitivos, mas muito engenhosos. Esse foi o princípio do que hoje é conhecido como irrigação

Atualmente, os sistemas de irrigação inteligentes fornecem a quantidade ideal de água e nutrientes para as plantas, sem desperdícios e no momento certo para o melhor desenvolvimento das culturas.

Assim como as civilizações, a agricultura evoluiu acompanhando o desenvolvimento da ciência e da tecnologia. À medida que aumenta o volume produzido, começam a aparecer as trocas, de produtos, também conhecidas como escambo, que evoluiram para as diferentes formas de comercialização. 

ilustração

Séculos mais tarde, os povos europeus e asiáticos, predominantemente, desbravaram os mares, com as grandes navegações. O objetivo era buscar novas rotas comerciais, conquistar e colonizar territórios, para ampliar seus domínios e riquezas. 

Com isso, produtos vegetais, animais, tecidos e utensílios foram distribuídos pelo mundo. 

 

Veja como alguns produtos chegaram ao Brasil:

Batata

Originária dos Andes, na América do Sul, foi levada para a Europa em 1530. Apesar de ter alto valor calórico, e de ser relativamente fácil de ser produzida, levou mais de 200 anos para se popularizar e passar a ser consumida naquele continente. Chegou ao Brasil pelas mãos dos colonizadores espanhóis, sendo fonte de alimentação primária até o fim do século XIX.

Laranja

As laranjas doces foram trazidas da Ásia pelos portugueses logo após o descobrimento do Brasil, entre 1530 e 1540. Inicialmente foram plantadas na Bahia e em São Paulo. Hoje, de acordo com os dados da CitrusBR, Associação Nacional de Exportadores de Sucos Cítricos, de cada 10 copos de suco de laranja consumidos no mundo, 7 foram produzidos no Brasil.

Café

Originário da Etiópia, o café foi levado para a Arábia, depois para a Guiana Francesa, e chegou ao Brasil em 1727. Foi inicialmente plantado no Pará, depois Maranhão, Rio de Janeiro, e chegou ao Vale do Paraíba em 1825. Por ter encontrado clima e solo favoráveis, o cafeeiro se adaptou facilmente, iniciando um importante ciclo econômico.

O café sempre esteve entre os produtos mais importantes do Brasil. Atualmente o país é o 1º produtor e exportador, e o 2º maior consumidor mundial do produto.

Cana-de-açúcar

Nativa da Ásia, a cana-de-açúcar vem sendo cultivada no Brasil há cinco séculos. As primeiras mudas foram trazidas por Martim Afonso de Souza, em 1532, e plantadas em São Vicente, SP. Porém, foi na Região Nordeste que a cultura se multiplicou no período Colonial. A cana foi a primeira riqueza plantada, e marcou um importante ciclo econômico brasileiro (séculos XVI e XVII).

Atualmente a Região Centro Sul concentra a maior produção de cana (8,9 milhões dos 9,9 milhões de hectares plantados, ou 1,1% do território brasileiro*), e o maior e mais desenvolvido parque agroindustrial sucroenergético do país. O Brasil é o 1º produtor e exportador mundial de açúcar.

*Fonte: Conab, 2021.

História da borracha natural

A ciência e a evolução da agricultura

A palavra CIÊNCIA deriva do latim scientia, que significa CONHECIMENTO.

A ciência está tão presente no dia a dia das pessoas que é difícil imaginar a vida sem ela. Foi o desenvolvimento científico e tecnológico, nos mais diversos segmentos, que trouxe as alternativas para satisfazer as necessidades do homem.

CIÊNCIA e TECNOLOGIA modificam, a todo instante, a trajetória da humanidade. Elas também foram, são e serão fundamentais para o desenvolvimento da agricultura e da pecuária em todo o mundo.

O conhecimento, na antiguidade, vinha das experiências humanas em relação aos fenômenos naturais. Assim foi descoberto o fogo; a alteração no sabor dos alimentos promovida pelo sal dos mares; a observação da brotação a partir de sementes e fragmentos de plantas, entre outros.

Grandes pensadores, motivados a desvendar e compreender os fenômenos naturais em suas épocas, foram fundamentais para abrir os caminhos da ciência.

Liebig, Darwin e Mendel, por exemplo, foram cruciais para a agricultura moderna. Suas descobertas científicas contribuíram para o avanço da produção agropecuária em todo o mundo. Insumos, como os  corretivos e fertilizantes, sementes melhoradas, biotecnologia, transgenia, nanotecnologia, tecnologias reprodutivas, entre outros, tiveram como base os conhecimentos desses e de vários outros cientistas.

Justus von Liebig (1803 - 1873)

Se no início a agricultura dependia da fertilidade natural do solo, tudo começou a mudar quando o químico alemão, Liebig, demonstrou que o crescimento das plantas dependia dos elementos químicos presentes no solo, e não do fato de a planta "comer" terra, como era o entendimento à época. Ficou claro que a adição de nutrientes, químicos ou orgânicos, possibilitariam o desenvolvimento das plantas mesmo em solos inférteis, ou substratos inertes. 

Como é sabido, as plantas possuem clorofila, e por meio da fotossíntese, na presença de luz, água e sais minerais sintetizam o que precisam para se desenvolver. O solo, grosso modo, é importante para a fixação das plantas. Um exemplo que comprova a teoria de Liebig, é o cultivo hidropônico, no qual as plantas se desenvolvem sem a presença de solo. Nesse caso elas são fixadas em estruturas flutuantes ou esponjosas, e os nutrientes são carreados pela água.

Charles Darwin (1809 - 1882)

O naturalista e biólogo, com seus estudos sobre a Teoria Evolutiva, defendeu a seleção natural como fator influenciador na evolução das espécies. A teoria ampliou as noções sobre a origem das espécies, porém não foi suficiente para explicar como surgiram as características hereditárias em cada geração.

Gregor Mendel (1822 - 1884)

Foi Mendel, por meio de seu trabalho com a polinização de ervilhas, que descobriu e respondeu várias questões sobre a hereditariedade das espécies. O biólogo, manualmente, transferiu o pólen de uma planta pura para outra, técnica hoje chamada de hibridação. Ele é considerado o pai da genética. Seus estudos de seleção artificial explicaram como a seleção natural age sobre os seres vivos.

Primórdios da agricultura brasileira

Primórdios da agricultura brasileira

A agricultura e a pecuária chegaram no Brasil, praticamente, de caravelas. Animais e vegetais, como frutas, hortaliças, cereais e leguminosas cruzaram os mares para alimentar os portugueses enviados para as terras da América.

Anos mais tarde, na época do Brasil Colônia, as grandes propriedades das Capitanias Hereditárias se dedicavam, principalmente, a uma só cultura. Neste período surgiram os engenhos de açúcar, com a utilização da mão de obra escrava trazida de países africanos.

No final do século XIX e começo do XX, a força de trabalho dos imigrantes predominava nas grandes lavouras do Brasil. Elas produziam, principalmente, para a exportação. As pequenas propriedades, por sua vez, produziam para a subsistência.

Com a Revolução Industrial, que teve início na Inglaterra Primeiro trator a gasolina, construído em 1892 na indústria de Froelich, nos EUA.

Com a Revolução Industrial, que teve início na Inglaterra a partir da segunda metade do século XVIII, parte da população deixou o campo rumo às cidades. Assim, os produtores rurais que permaneceram no campo tiveram que produzir mais, para alimentar as pessoas que foram morar nos centros urbanos. Foi necessário desenvolver implementos e máquinas mais eficazes para ajudar o homem a lavrar a terra. A força humana e a tração animal eram insuficientes para vencer a grande demanda por produtos agrícolas. Esse foi um dos grandes impulsos para a modernização da agricultura em todo o mundo. No Brasil esse movimento foi ainda mais intenso no início do século XX.

O aumento da demanda por alimentos deu origem a muitos questionamentos. Diante do crescimento populacional, qual seria a real capacidade de suprimento via produção agrícola?

Thomas Robert Malthus (1766-1834)

Em sua Teoria Malthusiana, o economista britânico defendeu a ideia de que a população sempre cresceria exponencialmente, enquanto a produção de alimentos aumentaria de forma aritmética (veja o gráfico abaixo). Assim, faltaria comida e o número de pobres aumentaria. Para ele a solução viria com o controle da natalidade.

Título: XXXXXX

Fonte: todamateria, ANO XX.

O que Malthus não previu, no entanto, foi como o progresso técnico-científico seria capaz de melhorar a produtividade no campo. Graças às referências científicas de Liebig, Darwin, Mendel, e de inúmeros outros pesquisadores, o desenvolvimento tecnológico ganhou cada vez mais força. À medida que a ciência avança, toda a realidade se aprimora, seja na cidade, seja no campo. É exatamente dessa forma que o questionamento de Malthus tem sido respondido.

O desafio, então, é suprir a crescente demanda mundial por alimentos, fibras e energia.

 

A ciência fez do Brasil um importante produtor mundial de alimentos

O Brasil possui a mais avançada tecnologia para a agricultura tropical do mundo, e oferece essas soluções para serem utilizadas em outros países. Em algumas regiões, com o emprego de cultivos intensivos, e sempre respeitando o meio ambiente, é possível colher, na mesma área, até 3 safras de grãos por ano. Nos países temperados, de clima mais frio, com a presença de neve, é possível fazer apenas uma safra de grãos por ano.

As mudanças que ocorreram, e que ainda ocorrem no campo brasileiro só foram possíveis graças ao progresso técnico-científico que vem acontecendo desde 1887, quando o país ganhou o primeiro centro de pesquisa agrícola. 

Dom Pedro II Dom Pedro II

Dom Pedro II e o início da pesquisa científica para a agropecuária no Brasil

 

A pesquisa agropecuária em terras brasileiras teve início no século XIX, ainda no Brasil Império. O Imperador Dom Pedro II incentivou, por meio de bolsas de estudos, que os brasileiros buscassem conhecimento nas universidades europeias, para posteriormente desenvolver as ciências no Brasil.

O Imperador era um homem das artes e das ciências. Ele usou seu prestígio para elevar a imagem do Brasil, que despontava como referência nas Américas. Isso era tão evidente que Charles Darwin declarou: “O imperador faz tanto pela ciência que todo sábio é obrigado a demonstrar a ele o mais completo respeito”.

Nos últimos anos do Império o Conselheiro Antônio da Silva Prado, Ministro da Agricultura, aconselhou Dom Pedro II a implantar no Brasil uma estação de pesquisa nos mesmos moldes das europeias.

 

*Fonte: Dicionário do Brasil Imperial, 2002.

Em 1887

 

 

Em 1887, D. Pedro II criou a Estação Agronômica no município de Campinas, SP, com o intuito de aprimorar as ciências agronômicas, em especial a do café, a mais importante cultura do Estado de São Paulo e do Brasil, à época. 

Em 1892 a Estação passou para a administração do Governo do Estado de São Paulo. Foi renomeada como Instituto Agronômico de Campinas, IAC. Teve, e continua tendo, uma atuação importante no desenvolvimento de pesquisas em alimentos, fibras e energia.

Hoje, com o nome de Instituto Agronômico, faz parte da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (SAASP). O IAC possui pesquisadores nas áreas de fitotecnia (plantas) e zootecnia (animais), em todas as regiões do estado. São 12 centros de pesquisa nos municípios de Campinas (7), Cordeirópolis (1), Jundiaí (2), Ribeirão Preto (1) e Votuporanga (1).

Você Sabia?

O feijão Carioca, o mais popular no prato do brasileiro, foi desenvolvido pelo IAC/Apta, em São Paulo.

O feijão recebeu esse nome porque se parecia com porcos rústicos malhados, conhecidos como carioca. Foi uma revolução na cozinha brasileira, pois o feijão "carioca" era mais macio que os feijões da época, e cozinhava em tempo muito menor. A pesquisa sobre o feijão carioca nunca parou de evoluir, e já foram lançados 50 cultivares. Os avanços aconteceram, principalmente,  em relação à produtividade e à qualidade nutricional do feijão.

No Brasil, são muitas as instituições de pesquisas voltadas para o agro. Elas podem ser públicas ou privadas, ter vínculos com universidades brasileiras e internacionais, com governos municipais, estaduais e o federal. Essas instituições podem atuar isoladamente na busca de soluções para problemas pontuais, ou em robustos projetos de cooperação. 

São cada vez mais comuns as parcerias entre organizações de Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação, nacionais e internacionais. Grandes avanços científicos são obtidos dessa forma, com benefícios para toda a sociedade, e com economia de tempo, trabalho e de recursos financeiros. Isso é realidade desde o desenvolvimento de insumos agropecuários até a corrida espacial. Também em casos de emergência sanitária global, como em pandemias, onde é necessário unir esforços para encontrar soluções com agilidade, como foi na pesquisa de vacinas contra a COVID-19.

Vale lembrar que muitas descobertas derivadas de pesquisas urbanas têm aplicação no campo, e vice versa. Não há limites para o alcance das ciências.

No Brasil, os institutos estaduais de pesquisa, as universidades e as instituições privadas trazem, há mais de um século, grandes contribuições para a agropecuária. Mais recentemente surgiram startups voltadas para o setor, que são empresas de base tecnológica, conhecidas como AgTechs. Elas possuem em comum o DNA da inovação, e vieram para acelerar soluções para os problemas do agro moderno.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA

 

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA

Como já foi visto, a ciência é essencial para superar obstáculos. Com esta premissa foi criada, em 1973, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Embrapa, que atualmente possui 43 centros de pesquisa em todas as regiões do país.

Em sua trajetória, a EMBRAPA foi responsável por superar as barreiras que limitavam a agricultura em região tropical. As pesquisas propiciaram inovações que permitiram tanto produzir em terras antes consideradas impróprias, como a região do Cerrado, quanto para adaptar algumas culturas ao Brasil, como a soja e o trigo. São inovações trabalhadas em temas estratégicos para o país, para responder às necessidades da nossa agropecuária.

A evolução agropecuária, a partir da Revolução Verde, foi um dos fatores que influenciou a pesquisa no Brasil para a produção agrícola no Cerrado brasileiro, bioma caracterizado pelo clima bem definido, relevo irregular e solos com baixa fertilidade. A tecnologia empregada possibilitou a abertura de novas áreas, anteriormente consideradas improdutivas. Segundo a Embrapa,  hoje a região responde por grande parte da produção brasileira de grãos, proteína animal, cana-de-açúcar, fibras, frutas e hortaliças.

[Saiba +] Revolução Verde

[Saiba +] Revolução Verde

A chamada Revolução Verde começou com o trabalho do agrônomo norte-americano Norman Borlaug, que em 1930 decidiu se dedicar à pesquisa de variedades de trigo mais resistentes a doenças.  Em 1944 ele se mudou para o México para coordenar o Programa de Produção Cooperativa de Trigo naquele país.

Com a fome do pós guerra, os meios tradicionais de produção agrícola não eram mais suficientes para a grande demanda. Foi preciso encontrar soluções para produzir mais em menor área, e o trabalho de Bourlaug foi fundamental.

Foi desenvolvido um pacote tecnológico que teve como foco o aumento da produtividade nas lavouras. O pacote envolveu o melhoramento de sementes, para que fossem mais adequadas para determinados tipos de solo e clima; fertilizantes; defensivos agrícolas e outros insumos. Tudo isso, somado à utilização de máquinas no campo, irrigação e à melhor gestão, serviu de exemplo para outros países como Brasil, Índia, Paquistão e Filipinas.

A iniciativa deu tão certo que em 1968 o governo dos Estados Unidos chamou o movimento de Revolução Verde. Norman Borlaug foi reconhecido pelo seu trabalho, e recebeu o Prêmio Nobel da Paz de 1970.

Com o tempo, as práticas relacionadas à conservação de recursos naturais, principalmente do solo e da água, foram adotadas. Também foram aprimoradas as relações de trabalho e a conscientização da necessidade de melhor organização da produção. As associações, cooperativas e sindicatos foram importantes para esta evolução.

 

TIRAR - TESTE

A Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, realizada em setembro de 2015, em Nova York, encerrou a discussão lançada na Rio+20 com a adoção do documento “Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”. O Brasil participou ativamente da construção desse documento, em defesa do legado da Rio+20.

Na Agenda 2030 estão os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), com 169 metas que deram impulso a uma corrida global pela sustentabilidade. Esses objetivos têm como base a premissa de “pensar globalmente e agir localmente”. Essa possibilidade de ação local é a aposta da ONU para um mundo melhor em 2030.

Com o tempo, as práticas relacionadas

 

Com o tempo, as práticas relacionadas à conservação de recursos naturais, principalmente de solo e de água, foram adotadas. Também foram aprimoradas as relações de trabalho e a conscientização da necessidade de melhor organização da produção. As associações, cooperativas e sindicatos foram importantes para esta evolução e continuam sendo até os dias de hoje.

[Leia + sobre os biomas brasileiros]

 

Confira o vídeo da EMBRAPA sobre a história da Ciência e da Agricultura no nosso país:

ABAG/RP